Concreta mostra quem está a reabilitar a cidade 16.04.2015
Acontecerá só em novembro, mas a 27.ª edição da maior feira de negócios da fileira portuguesa de construção já se deu a conhecer. Volta à Exponor num novo conceito e para se integrar nas atuais dinâmicas urbanas.
A EXPONOR acaba de apresentar a 27.ª Concreta - Feira de Construção, Reabilitação, Arquitetura e Design. Em relação à última edição, há dois anos, surgirá renovada e num conceito mais próximo das atuais dinâmicas urbanas, para evidenciar a importância social e económica da reabilitação.

Chegar aos 20 mil visitantes, crescer em número de expositores, atrair mais compradores estrangeiros e alargar a participação dos arquitetos portugueses os propósitos que animam a Exponor e a rede de parceiros que trabalham já nos caboucos de uma edição revista e melhorada da maior feira de negócios da fileira portuguesa de construção. São esperados 160 expositores, 20 dos quais estrangeiros, entre fabricantes e distribuidores ligados aos diferentes subsectores da indústria nacional e empresas de serviços de arquitetura, engenharia e especialidades técnicas.

O certame irá decorrer de 19 a 22 de novembro, no parque de feiras da Exponor, em Leça da Palmeira, Matosinhos, num formato propício à interação entre a indústria e os criadores com intervenção no espaço urbano. Os dois primeiros dias estão reservados aos profissionais e nos restantes dois, um fim-de-semana, as portas abrem-se ao público. Paralelamente, terá lugar o 18.º Endiel – Encontro para o Desenvolvimento do Sector Elétrico e Eletrónico, repetindo a fórmula adotada em 2011.

O local escolhido pela AEP para apresentar a edição de 2015 traduz, simbolicamente, o espírito da renovada Concreta: abertura à cidade e compromisso com todos os agentes que nela têm intervenção. A sala de espetáculos do edifício-sede da Cooperativa de Solidariedade Social do Povo Portuense, na baixa do Porto, foi o espaço escolhido. Degradada e a carecer de obras urgentes, há muito que deixou de acolher tertúlias, reuniões e teatros, mas não vai continuar fechada por muito mais tempo.

É esse o propósito da Exponor e dos seus parceiros, entre os quais se contam o estúdio portuense de arquitetura LIKEarchitects, a Ordem dos Arquitetos – Secção Regional do Norte, a APCMC - Associação Portuguesa dos Comerciantes de Materiais de Construção, a ADDICT - Agência para o Desenvolvimento das Indústrias Criativas e a Bienal de Cerveira. Todas estas entidades querem traduzir o posicionamento da renovada Concreta com uma experiência-piloto de reabilitação. Concretizá-la! É esse o fito da iniciativa Concret(izar), marca de um projeto social ativado com o contributo das empresas participantes na feira, que a AEP está a desafiar para assumirem uma atitude permanente pró-regeneração urbana e se envolverem em projetos concretos de reabilitação na área metropolitana do Porto.

A reabilitação urbana, a par da eficiência energética, está no topo da agenda dos decisores políticos europeus e é um dos pilares mais importantes da estratégia para o crescimento verde definida pelo Governo.

Neste contexto e com o quadro comunitário que vigorará até 2020 alinhado com as opções da construção sustentável e da regeneração das cidades, a AEP entendeu dar, com a Concreta 2015, um contributo para o país mais rapidamente responder aos desafios que se lhe colocam nesta área, conhecida que é a pretensão do Governo de fazer duplicar o peso da reabilitação urbana na atividade e nos proventos do sector - ou seja, passar dos atuais 10% para 20%, em 2020.

E, na verdade, as estatísticas oficiais espelham que Portugal está a olhar para as suas cidades e o património edificado de outra forma. Em 2014, foram licenciados no país 15.445 edifícios e concluídos 14.500. Destes, 5.291 foram reabilitados (36,5%) e 9.209 foram novas construções (63,5%). Nas últimas décadas, nunca a diferença (3.918) foi tão pequena.



Fonte: EXPONOR | DIÁRIO ECONÓMICO
<< voltar