Animais de companhia de todas as espécies na EXPOZOO 09.01.2015
-
Animais de todas as espécies, tamanhos e feitios, com especial relevo para cães e gatos, vão animar a 9.ª Expozoo – Exposição do Mundo Animal, a primeira feira do ano da Exponor, que terá lugar nos próximos dias 17 e 18. Em simultâneo, decorrerão dois concursos internacionais de canicultura e uma mostra de felinos.

As competições para cães, em que deverão participar mais de 3.000 exemplares, de várias raças, integram o calendário da Federação Cinológica Internacional e são organizadas pelo Clube Português de Canicultura. A mais conhecida é a Exposição Canina Internacional do Norte, que vai já na sua 80.ª edição e que este ano servirá para a organização internacional do sector atribuir o título de “campeão mediterrânico”.

Nos dois dias do certame, terá também lugar a 2.ª Exposição Felina da Expozoo, coorganizada pelo Clube Português de Felinicultura e pela Exponor, em que deverão participar 130 gatos, oriundos de todo o Portugal e do estrangeiro.

A adesão de criadores, agentes económicos ligados aos animais de companhia, serviços veterinários e organizações não-governamentais tem superado as expetativas da organização, consubstanciadas no facto de a Expozoo ter conhecido, nas duas edições anteriores, um crescimento acentuado tanto de participantes (66 em 2014) como de área de exposição. A tendência, aliás, mantém-se, perspetivando-se que a Exponor volte a acolher, durante dois dias, o grande encontro anual de todos quantos gostam e se interessam por animais de companhia em Portugal.

Para além de produtos e serviços para cães e gatos, o visitante poderá apreciar pássaros, répteis, peixes, roedores e outros animais de pequena dimensão. Serão também apresentados terrários, aquários e gaiolas, assim como acessórios, medicamentos e produtos veterinários e zoo-sanitários.

Segundo Olga Campos Monteiro, diretora da feira, “o crescimento dos negócios relacionados com o sector animal é uma realidade, consequência da crescente consciencialização do papel que os animais desempenham na vida das pessoas, nomeadamente em ambiente familiar”, e a Expozoo “espelhará isso mesmo”.

Esta circunstância “reflete-se no interesse crescente das empresas e das marcas pelo certame”, explica Olga Monteiro, que conta este ano com “mais visitantes profissionais e mais público, apesar de a edição do ano passado ser sido muito boa”. É que, justifica, a Expozoo constitui “uma excelente oportunidade para fazer negócios e promover produtos, equipamentos e tecnologias destinadas ao uso animal” e o público, por seu lado, “gosta sempre de conhecer as últimas novidades”.

Embora não abundem os dados oficiais que permitam quantificar o impacte do sector na economia nacional, acrescenta, “é notório que os negócios dirigidos aos animais estão a consolidar-se, à medida que a sociedade mais desperta está para as questões da dignificação e do bem-estar animal e as pessoas e as famílias vão alterando a sua relação com os animais de companhia”. A feira, antecipa, será um “barómetro” para se aferir da “melhoria da relação dos portugueses com os animais que têm em casa” e da afirmação de uma “economia de nicho com futuro”.

Para além das competições de agilidade e beleza de cães e gatos, haverá lugar a um conjunto de atividades complementares, de carácter lúdico e educativo, em torno, por exemplo, dos cuidados a ter com os animais de companhia, a sua saúde e bem-estar, os cuidados de higiene que devem merecer, o tratamento adequado que lhe deve ser proporcionado e a interação com os donos em sociedade.

De entre as atividades paralelas que decorrerão durante os dois dias da Expozoo, destaca-se a iniciativa “Vem ser veterinário por um dia”, um projeto de sensibilização dedicado às crianças, que terão oportunidade de vivenciar uma experiência clínica com animais. O objetivo é proporcionar-lhes um espaço lúdico e divertido, em contacto direto com animais, incutindo-lhes a responsabilidade que é possuir um cão ou um gato.

De referir, igualmente, o “Espaço Dartacão” no qual decorrerão provas de ‘agility’ e de obediência promovidas por várias entidades representativas da sociedade civil, tais como os Bombeiros Voluntários de S. Mamede de Infesta, a Associação Equiterapêutica do Porto e Matosinhos e a Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental de Vila Real.

Fonte: EXPONOR
<< voltar